Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

Série Missiologia 5: organizando a nova igreja

 

MISSIOLOGIA


ORGANIZANDO A NOVA IGREJA


A ele seja a
glória, na igreja e em Cristo Jesus,
por todas as gerações, para todo
o sempre”. (Ef 3.21)



1 – SONDANDO O INTERESSE DA COMUNIDADE


A organização pública da congregação em Filipos certamente aconteceu. Isso fica claro nas Escrituras de duas maneiras: Primeira e mais importante é a existência da igreja em Filipos para a qual Paulo escreveu a Epístola aos Filipenses. Em segundo lugar, a equipe apostólica de plantação de igrejas faz referência às reuniões de oração contínuas: "Ora, aconteceu que quando íamos ao lugar de oração..." (Atos 16:16).

A organização é o evento quando a nova congregação convida a comunidade a participar dos cultos semanais regulares. A equipe de plantação de igrejas e o grupo de base passarão de três meses a um ano em preparo para a organização pública. Muitos grupos de base optarão por realizar cultos de pré-lançamento com base semanal, mensal, e/ou quadrimestral para sentir o interesse da comunidade de seis a nove meses antes da organização pública.

Lembrando que a igreja só é relevante à comunidade que está inserida quando ela é significativa a essa comunidade. Trabalhar com as necessidades emergenciais de cada sociedade é mister para uma aceitação daquela nova igreja inserida naquela comunidade. Cresce a importância dos projetos sociais (e evangelísticos) neste escopo. É impraticável evangelizar quem tem fome, frio, dor, e muitas outras ordens de carestia. Precisa-se sanar as necessidades emergentes, ao mesmo tempo em que se anuncia o Evangelho.


2 – GERANDO UM CLIMA DE EXPECTATIVA


Os cultos de pré-organização são oportunidades para o grupo de base mostrar a comunidade o estilo de louvor, a comunhão dos cristãos e a direção-geral de liderança da equipe de plantação de igrejas. Os cultos de pré-organização são importantes. O clima de expectativa gerado durante a fase de pré-organização poderá tanto aumentar o entusiasmo para a organização quanto criar uma atitude negativa com relação à nova congregação.


3 – TÓPICOS DE AÇÃO


3.1 Implementar um plano de relações-públicas e comunicação (criar logotipo, encomendar papel e cartões timbrados, produzir material para divulgação, determinar frequências de publicação de informativos, contratar impressão de material, criar um folheto de evangelismo para a igreja nova, enviar primeira mala direta. Começar a espalhar anúncios do DOMINGO DE ORGANIZAÇÃO na mídia, etc.).

3.2 Esclarecer assuntos financeiros e administrativos; abrir conta bancária; estabelecer procedimentos financeiros e contábeis; confirmar procedimentos de recebimentos; tratar das questões de legalização e de seguros; conseguir boas taxas de serviço postal e etc.
3.3 Planejar a primeira série de sermões e cultos do primeiro semestre.

3.4 Criar uma Iista de checagem do DOMINGO DE ORGANIZAÇÃO e começar a delegar funções para os membros do grupo de base. (preste atenção redobrada no quesito de pessoas para cuidar do berçário e das crianças).

3.5 Providenciar equipamento necessário para o local e conseguir gente para operá-Io (instrumentos musicais, equipamento de som e de multimídia).

3.6 Finalizar todo o material necessário para os cultos do primeiro semestre (para que haja tempo para divulgação antes e depois da organização).

3.7 Fazer uma revisão do programa do culto do DOMINGO DE ORGANIZAÇÃO para cuidar de detalhes que estejam faltando.

3.8 Implementar estratégias para os primeiros cem dias (e falar dos pontos principais do DOMINGO DE ORGANIZAÇÃO).



Fonte de consulta: Apostila do Projeto Timóteo – Como implantar uma igreja.



Porto Belo, 22 de novembro de 2023.



Gustavo Maders de Oliveira – D.Miss.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I