Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

As 3 viagens missionárias de Paulo

 

AS TRÊS VIAGENS MISSIONÁRIAS DO APÓSTOLO PAULO



As três viagens missionárias do Apóstolo Paulo são cruciais para entender a disseminação inicial do Cristianismo no mundo greco-romano. Aqui está um resumo das três viagens:

Primeira Viagem Missionária (46-49 d.C.) - Atos 13

A primeira viagem missionária de Paulo começou por volta de 46 d.C., pouco após a conversão de Paulo ao cristianismo. Ele partiu de Antioquia da Síria, acompanhado por Barnabé e, mais tarde, por João Marcos. Esta jornada foi uma resposta ao chamado divino para pregar o Evangelho aos gentios. Principais paradas incluíram Chipre, onde pregaram em Salamina e Pafos, e várias cidades na Ásia Menor (atual Turquia), como Antioquia da Pisídia, Icônio, Listra e Derbe.

Durante esta viagem, Paulo enfrentou tanto aceitação quanto resistência. Ele enfrentou perseguição e hostilidade, especialmente daqueles que se opunham ao Evangelho. No entanto, muitos gentios e alguns judeus se converteram ao cristianismo, formando as primeiras comunidades cristãs fora da Judeia.

Segunda Viagem Missionária (49-52 d.C.) - Atos 15:39 – 18:22

A segunda viagem missionária começou após o Concílio de Jerusalém (49 d.C.), onde os líderes da igreja decidiram sobre a relação entre os gentios convertidos e a Lei Judaica. Paulo partiu novamente de Antioquia, desta vez acompanhado por Silas. Esta viagem foi marcada pela intensa atividade missionária na Grécia e na Macedônia. Eles revisitaram algumas das cidades da primeira viagem e também evangelizaram em Filipos, Tessalônica, Bereia e Corinto.

Durante essa jornada, Paulo enfrentou desafios significativos, incluindo prisões e tumultos. No entanto, a igreja se fortaleceu nessas regiões, e novas comunidades cristãs foram estabelecidas. A segunda viagem missionária também foi marcada pela escrita de várias epístolas, como as cartas aos Tessalonicenses e a Primeira e Segunda Cartas aos Coríntios.

Terceira Viagem Missionária (53-57 d.C.) - Atos 18:23 – 21:16

A terceira viagem missionária de Paulo começou por volta de 53 d.C. Ele novamente partiu de Antioquia, visitando as igrejas estabelecidas durante suas viagens anteriores. Desta vez, ele se concentrou principalmente na Ásia Menor, especialmente em Éfeso, onde passou cerca de três anos, ministrando e fortalecendo a igreja local. Durante essa jornada, Paulo também escreveu a Epístola aos Gálatas.

Enquanto isso, em Corinto, ele escreveu a Epístola aos Romanos. Esta viagem também foi marcada por conflitos e oposições, especialmente com os artesãos de Éfeso, cujos negócios estavam sendo ameaçados pela pregação de Paulo contra os ídolos.

Em Atos 22 – 28: após ser preso em Jerusalém e encarcerado em Cesaréia, Paulo é levado de navio para Roma

Conclusão

As três viagens missionárias de Paulo foram fundamentais na propagação do Evangelho no mundo greco-romano. Ele enfrentou uma série de desafios, incluindo perseguição, oposição e dificuldades pessoais, mas perseverou na fé e no propósito de espalhar a mensagem de Jesus Cristo. Suas viagens estabeleceram várias comunidades cristãs e solidificaram a base para o crescimento posterior do Cristianismo.


Gustavo Maders de Oliveira, D.Miss.

14/04/2024



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I