Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

Série Missiologia 1: 4 fases da plantação de igrejas

 

MISSIOLOGIA


QUATRO FASES DA PLANTAÇÃO DE IGREJAS


Eu plantei, Apolo regou;

mas o crescimento veio de Deus.

(1 Coríntios 3:6)


1ª FASE: A CONCEPÇÃO


Esta é a fase aonde a visão para uma nova congregação e concebida. Deus é quem planta esta semente no coração de um homem ou de uma mulher a fim de que o seu propósito seja alcançado. A pessoa pode não saber em profundidade e em riqueza de detalhes sobre onde e como essa igreja ira nascer, mas em seu espírito ela já sabe que essa, ou outras igrejas irão nascer.


2ª FASE: A GESTAÇÃO


Essa é a fase crucial no processo de plantação de igrejas. É nessa fase que a estrutura e a força do futuro estarão se formando. Quando um projeto de plantação de igreja fracassa, invariavelmente tem a ver com um medíocre desenvolvimento desta fase. A maior parte do trabalho base para a plantação de uma igreja precisa ser feito nessa fase.

O plantador da igreja precisa ter com clareza a sua visão, e realizar os estudos e as pesquisas necessárias em relação à área que a igreja estará sendo plantada. É nesta fase que o núcleo base precisa ser desenvolvido; é imperativo desenvolver uma estratégia específica e levantar os recursos necessários para equipamento e logística de um modo geral.

Nessa fase também é necessário resistir a tentação de que o processo para "iniciar" a igreja está "demorando demais". Promover um nascimento prematuro é uma tentação que está diante de todo plantador de igreja; a realidade é que abrir as portas de uma igreja sem uma preparação adequada pode ter sérias consequências. Robert Logan, Peter Wagner e outros especialistas na área de plantação de igreja sugerem de 4 a 6 meses para se investir na fase da preparação.


3ª FASE: O NASCIMENTO

Esse é o momento que tanto esperávamos! A nova igreja está de portas abertas ao público e pronta para começar a funcionar como um centro de adoração, cuidado, discipulado e evangelização, cumprindo o disposto em Mateus 28:19,20.

Se o trabalho do alicerce foi bem planejado e alvos concretos foram alcançados, então não existe nenhuma razão pela qual não compareça um significativo número de pessoas para essa congregação nascente. Aqui então, se torna um começo de um centro aonde uma comunidade irá consistentemente ver o reino das trevas ser destruído e o Reino de Deus expandido. Um grande farol foi acesso e as trevas irão fugir!


4ª FASE: A MATURIDADE

Se o plantador de igreja trabalhou com diligência e esmero as fases anteriores, esta fase é apenas uma consequência natural de um sadio crescimento. O teste da maturidade de uma igreja tem a ver com quão bem ela está concretizando sua visão. O alvo desse processo é de que a igreja
venha a ser uma fonte reprodutora de novas igrejas.


Quando Jesus deu aos seus discípulos a Grande Comissão, foi isso que Ele antecipou: que o mundo fosse ganho através da plantação de novas igrejas.



Uma igreja sadia e obediente assemelha-se a uma planta que cresce e se reproduz infinitamente.”

(Dr. George Patterson)



Fonte de consulta: Apostila do Projeto Timóteo – Como implantar uma igreja, 4ª ed.


Porto Belo, 20 de novembro de 2023.


Gustavo Maders de Oliveira – D.Miss.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I