Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

Justificados pela fé em Jesus (CLIQUE AQUI)

 


JUSTIFICADOS PELA FÉ EM JESUS



Romanos 1:17 (KJA)

Visto que a justiça de Deus se revela no Evangelho, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé, como está escrito: “O justo viverá pela fé.”


Quando dizemos “o justo viverá pela fé”, queremos dizer que somos guiados e dirigidos por nossa fé. Agimos de modo coerente com nossa fé – não no sentido de uma obediência irrefletida, mas com uma confiança em nosso Deus e sincero amor por ele e pela inestimável sabedoria que ele revelou a seus filhos.

A abordagem de Rm 1:17 mudou toda a condição de fé e prática de Martinho Lutero, monge agostiniano precursor da Reforma Protestante, quando da sua leitura inédita do Novo Testamento, em Wittenberg (Alemanha).


O quê o Apóstolo Paulo nos ensina neste versículo?


A justificação está condicionada à fé!


A 1ª subdivisão do versículo:


1. A justiça de Deus se revela no Evangelho.

a) Deus se fez homem e morreu na cruz, levando consigo o pecado da humanidade. Eis o Evangelho, a maior prova de amor de Deus pelo homem pecador. Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo, muito mais agora, sendo justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida; e não apenas isto, mas também nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação.” (Romanos 5:8-11)

b) O ato de fé na morte (pelo pecado) e ressurreição de Jesus torna o homem justo, isto é, sem dívida (isento da culpa), desde que creia na morte substitutiva de Cristo na cruz pelos seus pecados (Jesus, na cruz, tornou-se pecador por nós, levando a culpa pelos nossos delitos).

c) O Evangelho é a boa nova da salvação em Cristo; é a mensagem da cruz.


A 2ª subdivisão do versículo:


2. Uma justiça que do princípio ao fim é pela fé.

a) A justificação está condicionada à fé do pecador em Jesus Cristo, Deus que se fez homem para redimir a humanidade com sua morte expiatória na cruz do calvário.

b) “Quem crê nele não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito filho de Deus.” - disse Jesus Cristo (João 3:18)

c) “A fé é a certeza de que haveremos de receber o que esperamos, e a prova daquilo que não podemos ver.” (Hebreus 11:1)


A 3ª subdivisão do versículo:


3. O justo viverá pela fé.

a) A justiça se manifesta na fé, de modo que, para o pecador ser justificado, é necessário a fé no Evangelho da Graça, ou seja, no favor imerecido de Cristo Jesus pelo pecador, tornando-o justo, isto é, sem culpa por sua condição pecaminosa.

b) A justificação é o primeiro passo na salvação, é quando o pecador se torna sem dívida (justo) para com a justiça divina. A justificação é seguida da regeneração (nova criatura), da santificação (separado para Deus), e por fim da glorificação (no porvir).


Concluindo,


Recapitulando, “a justiça de Deus se revela no Evangelho; uma justiça que do princípio ao fim é pela fé; e o justo viverá pela fé.”

Mediante a fé em Cristo Jesus, Deus nos torna justo, isento de culpa pelos nossos pecados, pois o preço pelos nossos pecados foi pago na cruz.

No original grego, o vernáculo “fé” e “crer” possuem a mesma raiz. “Justo” refere-se à qualidade da pessoa justa, ou seja, que não deve nada à lei. É um termo forense, ligado aos tribunais e não diretamente relacionado à moral e à ética.


Romanos 3:21-24

²¹ Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;

²² Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença.

²³ Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

²⁴ Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.



Porto Belo, 29 de agosto de 2023.



Dr. Gustavo Maders de Oliveira



Comentários

  1. Só nos resta alegremente e com gratidao cantarmos ao SENHOR: EU TENHO FÉ SENHOR...EU TENHO FÉ!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I