Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

Da simplicidade do Evangelho

 

Da simplicidade do Evangelho


A ordem de Jesus:


¹⁵ E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.

(Marcos 16:15)


Da obrigação do apóstolo:


¹⁶ Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!

(1 Coríntios 9:16)


De que evangelho o apóstolo Paulo estava se referindo? Ao evangelho (boas novas) da graça, da salvação em Cristo Jesus:


¹⁶ Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

¹⁸ Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.

(João 3:16,18)


Mas...


¹³ Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

¹⁴ Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue?

¹⁵ E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.

¹⁶ Mas nem todos têm obedecido ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem creu na nossa pregação?

¹⁷ De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.

(Romanos 10:13-17)


“Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”, e a fé vem pelo ouvir da Palavra de Deus. Acontece que a religiosidade é a barreira que impede que pessoas tenham um relacionamento com Cristo, pois a simplicidade do evangelho não cabe na complexidade da religião. O evangelho é simples, a religião é complexa, sistematizada, ao ponto de ofuscar a singeleza das boas novas da salvação mediante a graça de Jesus. O evangelho é cristocêntrico, enquanto que a religião cristã, em todas as suas formas de expressão, nos quase dois mil anos de história vem se mostrando antropocêntrica, carnal, sem comunhão com Cristo. A religião busca incessantemente poder, materialismo, disputas, porfias, em teologias desprovidas de graça, de perdão, sem “visitar os órfãos e as viúvas”, e “guardar-se da corrupção do mundo” (Tiago 1:27). É necessário reaprender com a igreja primitiva, apostólica, do 1º século:


⁴² E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.

⁴³ E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos.

⁴⁴ E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum.

⁴⁵ E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.

⁴⁶ E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração,

⁴⁷ Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.

(Atos 2:42-47)


Palavra-chave: testemunho. Os primeiros cristãos “caiam na graça de todo o povo”, e diariamente pessoas se convertiam pelo testemunho da igreja (Atos 2:47). Qual é o testemunho da igreja hoje? Pessoas se convertem ao verem nosso proceder? Acho difícil! Mais fácil o exatamente contrário...


É dito que a igreja é a contracultura à cultura do mundo, mas isso não é verdade. Antes fosse…! A secularização da igreja existe desde a sua estatização no 4º século. O que ocorre, na verdade, é a adequação, conformação da doutrina cristã ao mundo. Isso acontecia no passado e ocorre no presente, a corrupção moral dos líderes religiosos de todos os segmentos, se amoldando aos parâmetros sociais e filosóficos seculares, mesmo que distanciando a igreja do evangelho de Cristo. Onde existe o radicalismo há excessos, mas onde há o liberalismo existe a secularização exacerbada. Ambos os extremos são nocivos ao evangelho, isto é, ambos afastam as pessoas da graça redentora de Jesus.


Importa que o evangelho da graça seja pregado aos confins da Terra, para a parousia de Cristo:


¹⁰ Mas importa que o evangelho seja primeiramente pregado entre todas as nações.

(Marcos 13:10)


O segundo advento de Cristo está condicionado a alguns fatores, sendo o principal deles a pregação do evangelho a todas as nações (etnias). Há ainda um terreno vasto, que constitui um verdadeiro desafio missionário para a igreja militante. São centenas de povos (etnias) ainda não alcançadas pelo evangelho, com destaque para os muçulmanos, os budistas, os hindus, os animistas, os xintoístas, e muitas nações indígenas, espalhadas pelo mundo todo. Alguns poucos milhares de missionários estão cumprindo o “Ide”, anunciando o evangelho aos confins da Terra.


Cabe à igreja (nós) aprender com os cristãos primitivos, para que o evangelho seja transmitido pelo testemunho, para que a Palavra de Deus seja compreendida e promova mudanças de vida, para que promova a fé no Salvador Jesus Cristo, o qual deu a vida pelos nossos pecados e nos perdoou, tornando-nos filhos de Deus por adoção (João 1:12). Amém!




Gustavo Maders de Oliveira – D.Miss.


15/01/2024

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I