Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

Série Missiologia 4: evangelizando e discipulando

 

MISSIOLOGIA


EVANGELIZANDO E DISCIPULANDO


Ora, tudo provém
de Deus, que nos reconciliou
consigo mesmo por meio de
Cristo e nos deu o ministério da
reconciliação”. (2 Co 5:18)


I - EVANGELIZANDO


1 – TAREFA DE CADA GERAÇÃO


A receptividade de uma comunidade se confirma quando as pessoas aceitam Jesus como Salvador. A Bíblia diz: "E uma certa mulher chamada Lídia ... que temia a Deus, nos escutava e o Senhor Ihe abriu o coração para atender as coisas que Paulo dizia" (Atos 16:14). O evangelismo de não-crentes é a essência da tarefa que Deus confiou à igreja neste tempo - uma era para a qual Jesus disse: "eis que eu estou convosco todos os dias, ate a consumação dos séculos" (Mateus 28:20). A igreja de cada geração tem a responsabilidade de alcançar a sua sociedade. A questão é como fazer isso, e não, se devemos fazer ou não. Esta é uma pergunta para cada equipe de plantação de igrejas: De que forma a equipe vai evangelizar? O evangelismo precisa ser intencional. Muito pouco evangelismo será feito se não forem feitos planos para fazer uso das várias ferramentas e metodologias disponíveis para a equipe de plantação de igrejas.


2 – POR TODOS OS MEIOS


A equipe de plantação de igrejas precisa estar preparada para utilizar várias abordagens no evangelismo. A abordagem preferida da equipe pode não ser apropriada para a totalidade da membresia (por exemplo, pessoal, mídia, ação social, oração, eventos e esportes). É importante treinar adequadamente todas as testemunhas da nova congregação. Os seguintes tópicos de ação serão uteis a equipe de plantação de igrejas no sentido de envolver cada membro no evangelismo pessoal.


3 – TÓPICOS DE AÇÃO


3.1 Criar um plano de oração para a nova igreja.

3.2 Estabelecer um plano de evangelismo, identificando as diversas metodologias a serem utilizadas.

3.3 Ensinar metodologias de evangelismo aos participantes.

3.4 Agendar e conduzir atividades de ministério no território-alvo.

3.5 Intensificar esforços de evangelismo como "atos de bondade"; eventos evangelísticos especiais. 3.6 Realizar uma atividade de pré-lançamento algumas semanas antes da celebração de organização da nova congregação.

3.7 Começar a elaborar ideias e planos para desenvolver a liderança da nova congregação.
3.8 Encontrar membros para o grupo de base.


II – DISCIPULANDO



1 – O QUE É UM GRUPO DE BASE?


Um grupo de base é uma expansão da equipe de plantação de igrejas. Como recém-convertida, Lídia convenceu a equipe apostólica de plantação de igrejas, que era Iiderada por Paulo, a entrar em sua casa e ficar alí (Atos 16: 15), e a Bíblia testifica que ela os convenceu. Ela Iiteralmente se uniu ao trabalho começado pela equipe de plantação de igrejas.
Os membros do grupo de base precisam andar um passo além do discipulado e da comunhão. A equipe de plantação de igrejas e a equipe de missões da igreja precisam passar para o grupo de base o sonho de plantar uma nova igreja. É necessário que uma porta-voz da equipe de missões da igreja seja responsável para fazer uma narrativa com fatos históricos e paixão espiritual, tanto para a equipe de plantação de igrejas quanto para o grupo de base, enfatizando a importância da implantação desta nova igreja.


2 – DISCIPULADO – UM PROCESSO RELACIONAL


Quando uma pessoa recém-convertida une-se a equipe de plantação de igrejas como membro do "grupo base", o processo de discipulado se inicia. Paul Stanley e J. Robert Clinton, autores do livro intitulado Connecting (Criando Relacionamentos), definem o discipulado como "um processo relacional no qual um seguidor de Jesus mais experiente compartilha com outro seguidor mais novo o conhecer e obedecer a Jesus Cristo como Senhor".

Os grupos de base que resultam de esforços de evangelismo precisam de tempo para assimilarem a novidade de vida em Jesus. Também precisam de tempo para serem moldados numa comunhão de seguidores. Uma das responsabilidades da equipe de plantação de igrejas, logo apos um evento evangelístico é discipular os novos convertidos e criar um ambiente de amparo para que as primeiras etapas de crescimento possam ocorrer.


3 – TÓPICOS DE AÇÃO


Os seguintes tópicos de ação serão úteis para a equipe de plantação de igrejas na formação de grupos de base. Estes tópicos de ação também contém sugestões sobre como trabalhar com o recém-formado grupo de base:


3.1 Formar o grupo de base e conseguir um acordo de compromisso dos membros do grupo de base; iniciar as reuniões do grupo de base; desenvolver Iiderança ministerial.

3.2 Considerar a possibilidade de pequenos grupos; determinar currículo e recrutar Iíderes de pequenos grupos.

3.3 Conseguir local para reuniões e confirmar data de organização.

3.4 Conduzir treinamentos; sistemas de integração; voluntários para trabalhar com crianças; equipe de louvor.

3.5 Elaborar um processo visando à escolha de um pastor para a nova igreja.

3.6 lniciar reuniões com as pessoas e cultos de pré-organização.

3.7 Elaborar classe de orientação para recém-chegados.

3.8 lniciar novas classes para crianças.

3.9 Elaborar uma estratégia de crescimento para os próximos doze meses.



Fonte de consulta: Apostila do Projeto Timóteo – Como implantar uma igreja.



Porto Belo, 22 de novembro de 2023.



Gustavo Maders de Oliveira – D.Miss.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I