Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

A importância do genoma - LER MAIS

 

A IMPORTÂNCIA DO GENOMA


Genoma é a sequência completa do DNA (ácido desoxirribonucleico) de um organismo, ou seja, o conjunto de todos os genes de um ser vivo. Estudar o genoma é como estudar a anatomia molecular de uma espécie.

O DNA é uma molécula constituída por nucleotídeos que apresenta como função armazenar as informações genéticas de suas bases nitrogenadas. Os genes são comumente definidos como trechos de DNA que apresentam as informações necessárias para a produção de proteínas. Vale destacar que os genes também incluem sequências de nucleotídeos necessários para a síntese de outros tipos de RNA (ácido riboxorribonucléico).

Conhecer os genes de uma espécie pode trazer informações valiosas sobre um ser vivo, os processos normais que nele ocorrem e até mesmo os genes que podem desencadear doenças. No caso de seres humanos, testes genéticos que analisam o genoma de um indivíduo podem fornecer informações sobre doenças que ainda não se manifestaram e os possíveis riscos de desenvolvimento da enfermidade. Desse modo, conhecer os genes ajuda no diagnóstico e também na identificação da predisposição genética para certos problemas. Além de encontrar possíveis doenças, conhecer os conjuntos de genes humanos ajuda na criação de medicamentos para diversos grupos de indivíduos, evitando, portanto, reações adversas graves. O conhecimento sobre os genes abre portas ainda para a terapia gênica, em que genes normais são usados para substituir os defeituosos.

Vale destacar que conhecer o genoma de outros organismos também é importante, pois fornece respostas para várias perguntas nos diversos campos da ciência. Os genes podem mostrar, por exemplo, o processo evolutivo e ajudar a criar culturas resistentes.

O Projeto Genoma Humano iniciou-se em 1990 e tinha como objetivo determinar a sequência de todas as bases do DNA genômico e identificar e mapear os genes distribuídos em nossos 23 pares de cromossomos. Os pesquisadores armazenariam essas informações em bancos de dados e desenvolveriam ferramentas que propiciassem a análise detalhada de cada uma. A princípio, esperava-se que todos esses objetivos fossem alcançados após 15 anos de estudo. Entretanto, com o avanço da tecnologia, o projeto teve suas atividades finalizadas após 13 anos, em 2003. Entre os resultados obtidos no processo, podemos destacar a descoberta dos 3,2 bilhões de nucleotídeos que compõem o genoma humano e a identificação da função de cerca de 50% deles. Também é importante destacar que foi possível concluir que a sequência do genoma humano é 99,9% igual em todos os indivíduos. Curiosidade: O primeiro genoma a ser sequenciado foi o da bactéria Haemophilus influenzae, em 1995. Hoje se conhece o genoma de várias espécies, inclusive o da espécie humana. Importante observar que nem sempre os genomas são de DNA. O genoma de vírus pode ser de RNAe muito se falou disso nos últimos dois anos, por exemplo, com o surgimento do coronavírus (sars-cov-2) e suas variantes, causando a pandemia.

É um “novo mundo”, define Maria Cátira1, repleto de possibilidades, como a da comparação de genomas entre diferentes espécies. A professora da UFRGS trabalha com primatas e resume parte das práticas em laboratório:

- Comparamos todo dia, todo o tempo, os genomas de espécies de interesse. Conseguimos desvendar o que é exclusividade humana, o que não é, o que nos diferencia de parentes mais próximos. Sabemos quais são as regiões do genoma impactadas no momento em que os humanos deixam de ser caçadores coletores para se tornarem agriculturalistas. É (um avanço em) progressão geométrica!

A interdisciplinaridade, com a biologia e a genética “conversando” com uma diversidade de outras especialidades, é mais um aspecto marcante na área da pesquisa genética.

Não conseguimos mais analisar os dados sem pensar em bioinformática, em inteligência artificial. É muita informação, uma super quantidade de dados. Precisamos da inteligência artificial para nos ajudar a interpretá-los — explica Maria Cátira.

A bióloga Maria Cátira crê ser importante, com o auxílio das novas ferramentas de bioinformática e inteligência artificial, estabelecer relações precisas entre genótipo (conjunto das informações genéticas) e fenótipo (características observáveis, como as físicas).

Este autor se posiciona na fronteira entre o genoma e os métodos mais biologicamente conservadores. Existe um limite tênue entre o cientificamente ético e o não. Enquanto a Engenharia Genética produzir plantas mais resistentes às pragas, produzir animais mais saudáveis e resistentes, ou produzir células tronco, a busca da cura de doenças ,o genoma é salutar. O receio é quando ultrapassa esse limite ético, produzindo vírus em laboratório, clonando órgãos humanos, sem limites, buscando, por fim, reproduzir um ser humano – o que só não ocorreu nos anos 90 pela intervenção, principalmente da Igreja2. Foi o Vaticano o principal opositor da clonagem humana, em qualquer escala. Obviamente não foi o único a se opor.

É bom que o homem cresça em conhecimento, mesmo que esse conhecimento seja secular. A Bíblia não o condena totalmente. Em Eclesiastes, vemos o autor apenas alertando para o exagero desse conhecimento. “E apliquei o meu coração a conhecer a sabedoria, e a conhecer os desvarios e as loucuras, e vim a saber que isto era aflição de espírito. Porque na muita sabedoria há muito enfado, e o que aumenta em conhecimento aumenta em dor”. (Eclesiastes 1:17-18).

Imprescindível é que o homem se preocupe com a cura das doenças, mesmo que para isso utilize unicamen­te meios técnico-científicos (trans­plantes, clonagens, etc.). Neste sentido, estamos certos de que os idealizadores dessas técnicas estão primeiramente pensando no bem-es­tar das pessoas que irão fazer uso e se beneficiar no futuro dessa tecnologia. Mas sabemos também que, não só no Brasil, mas no mundo inteiro, a legislação científica normalmente é lenta. Dificilmente consegue acom­panhar de perto os avanços da tecnologia e da ciência.

Por derradeiro, sabemos que a ciência não retroage, ela avança, a passos largos. Espera-se, como cristãos, que haja ética nos procedimentos; que descubram curas para as doenças, que desenvolvam a medicina (enquanto biologia) em favor dos homens, que descubram novos medicamentos, que desenvolvam plantas e animais com genéticas melhores, desenvolvendo a agronomia a a medicina veterinária, mas que em tudo haja o temor do Senhor, que é o princípio da sabedoria (Provérbios 9:10).



1Maria Cátira - Bióloga da UFRGS.

2 A clonagem artificial realizada em laboratório, seja a reprodutiva ou terapêutica, não é admitida pela igreja católica. A Pontifícia Academia Pro Vita do Vaticano já se pronunciou condenando taxativamente qualquer reprodução via clonagem, tanto para finalidades reprodutivas, quanto para finalidades terapêuticas.



Prof. Dr. Gustavo Maders de Oliveira

5 de setembro de 2022

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I