Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

SEM A BÍBLIA, A EVANGELIZAÇÃO MUNDIAL É IMPOSSÍVEL - LER

 

SEM A BÍBLIA, A EVANGELIZAÇÃO MUNDIAL É IMPOSSÍVEL”


Para John R. W. Stott, “sem a Bíblia, a evangelização do mundo é impossível, pois sem ela não temos nenhum evangelho para levar às nações, nenhuma garantia a oferecer, nenhuma ideia de como fazer a tarefa e nenhuma esperança de sucesso. É a Bíblia que nos dá o mandato, a mensagem, o modelo e o poder de que precisamos para a evangelização do mundo”.

Vamos nos lembrar do texto escrito por Paulo, o apóstolo: “Não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê.” (Romanos 1.16). Portanto, fica o entendimento da importância de tornar a Bíblia conhecida, lida e compreendida por todos os que estão à nossa volta ou mesmo a milhares de quilômetros de distância. Proclamemos a Palavra de Deus!

Tal qual é a Constituição Federal para a Suprema Corte (a razão de ser), é a Bíblia para Missões, pois o evangelho é a razão de ser da obra missionária. Sem a Bíblia não há igreja, não há a proclamação do evangelho, não há vocacionados e nem chamados ao ministério. Resumindo, sem a Bíblia é impossível missões, pois o insumo e o produto da obra missionária é a Palavra de Deus.

Segundo Stott, a palavra missão não pode ser usada apropriadamente para cobrir tudo o que Deus está fazendo no mundo. No que diz respeito à providência e à graça comum, ele realmente está ativo em todos os homens e em todas as sociedades, quer eles reconheçam isso ou não. Mas esta não é sua ‘missão’. ‘Missão’ diz respeito ao seu povo redimido e o que Deus o manda fazer no mundo. A missão primordial é a de Deus, pois foi ele quem mandou seus profetas, seu Filho, seu Espírito… E “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20.21) … Jesus fez de sua missão um modelo para a nossa… Portanto, nossa compreensão da missão da igreja deve ser deduzida da nossa compreensão da missão do Filho.

Sem a Palavra de Deus não haveria como atender à necessidade desesperadora do homem. O homem, por si só, não tem capacidade de se salvar. Sem Deus, os esforços mais diligentes do homem estão destinados ao fracasso. A rebelião e o pecado provocam a ira de Deus. A ira, palavra praticamente ausente do vocabulário secular moderno, traduz apenas um dos termos bíblicos que expressam a alienação resultante da desobediência do homem à lei de Deus “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Rm 3:23). Nesse versículo, temos o significado da origem do pecado com fracasso. Estamos aquém do padrão que Deus requer, portanto, não atingimos o alvo por ele proposto.

O dilema do homem repousa sobre seus atos maus, os quais provocam uma aversão à luz do evangelho (Jo 3:19,20). Ele odeia a única luz capaz de salvá-lo de seu destino. Esta situação não se parece com o vício em drogas, álcool ou tabaco? A condescendência leva a uma escravidão ainda maior. O poder satânico da morte (Hb 2:14) à espera de suas vítimas para devorá-las.

Para SHEDD1 morto no pecado, significa que nenhum esforço pessoal poderá, em tempo algum, nascer no íntimo do pecador de modo que que seja capaz de aproximar-se de Deus. Mesmo que saiba o que deve fazer, é incapaz de fazê-lo. A litania da corrupção humana dos Salmos reitera o fato de que “não há justo”, nem um sequer. Não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis, não há quem faça o bem, não há um sequer (Rm 3:10-12).

SHEDD está, no parágrafo acima, se referindo ao homem natural, morto no pecado. Porque se não houver a Palavra de Deus, que transforma, que salva e dá vida, o homem já está morto. E não há quem faça o bem (se não pela Palavra no coração), pois a natureza humana é corrompida pelo pecado.

Como haver missões sem as Escrituras Sagradas? Ora, é impossível! Vejamos, sem a Bíblia não há o relato da criação do mundo e do homem. A revelação do pecado e as consequências no mundo físico e espiritual. Sem a Bíblia não haveria a história do dilúvio, nem dos patriarcas de Israel (Abraão, Isaque e Jacó), a história de José, e de sua família no Egito. Sem as Escrituras não teríamos a história da escravidão e do êxodo à terra prometida. Sem a Bíblia não teríamos os profetas, os poéticos, os evangelhos, o livro de Atos, as epístolas gerais e o Apocalipse.

Assim como um juiz não poderia julgar sem ter acesso a toda legislação pertinente ao caso, da mesma forma um missionário não poderia evangelizar sem a Bíblia, pois que boa nova poderia anunciar? Que Plano da Salvação poderia pregar? Seria definitivamente impossível anunciar o evangelho, evangelho este que muda o coração do homem, produz a conversão, e transforma todo o ser.

O homem natural é orgulhoso, egoísta, idólatra, pervertido sexualmente, incrédulo, etc. Mas a solução de Deus para o pecado começou lá no Éden, em Gn3:15 “Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”. E nasceu o salvador – Lc 2:11 “ hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor”. E essa mudança de 180º no curso da vida de um ser humano (conversão) só pode ser feita por ação do Espírito Santo, após ouvir a mensagem do evangelho da salvação.

Como vimos é impossível a obra missionária sem as Escrituras Sagradas, porque sem elas não haveria nem igreja para comissionar e enviar missionários ao campo; seria impossível pois não haveria uma mensagem de salvação, o evangelho, e os outros inúmeros textos que falam de Jesus, seu ministério, seus milagres, seus ensinamentos, enfim, não teríamos o Plano da Salvação.

Por fim, o amor e Deus sustenta a evangelização. Deus busca os homens para que possa expressar seu amor e sua compaixão. Em 1 João 4:8 lemos que Deus é amor; isto significa que ele não pode deixar de oferecer o seu dom de amor ao homem transgressor. João 3:16 é uma verdade com o qual estamos tão familiarizados, que há o risco constante que perca o seu impacto. Essa verdade nos lembra a todos que o amor de Deus é de tal modo incompreensível, que nos oferece o melhor dom que Deus tem para nos dar.

A frase de Stott encerra tudo o que se pode argumentar sobre o tema: “sem a Bíblia, a evangelização do mundo é impossível, pois sem ela não temos nenhum evangelho para levar às nações, nenhuma garantia a oferecer, nenhuma ideia de como fazer a tarefa e nenhuma esperança de sucesso. É a Bíblia que nos dá o mandato, a mensagem, o modelo e o poder de que precisamos para a evangelização do mundo”.

Evangelização é a proclamação do Evangelho do Cristo crucificado e ressurreto, o único redentor do homem, de acordo com as Escrituras, com o propósito de persuadir pecadores condenados e perdidos e por sua confiança em Deus, recebendo e aceitando a Cristo como Senhor em todos os aspectos da vida e na comunhão de sua igreja, aguardando o dia de sua volta gloriosa. (Fórmula de evangelização de Berlim, 1966).


Gustavo Maders de Oliveira - Th.M.

15 de junho de 2022.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I