Pular para o conteúdo principal

As 3 viagens missionárias de Paulo

  AS TRÊS VIAGENS MISSIONÁRIAS DO APÓSTOLO PAULO As três viagens missionárias do Apóstolo Paulo são cruciais para entender a disseminação inicial do Cristianismo no mundo greco-romano. Aqui está um resumo das três viagens: Primeira Viagem Missionária (46-49 d.C.) - Atos 13 A primeira viagem missionária de Paulo começou por volta de 46 d.C., pouco após a conversão de Paulo ao cristianismo. Ele partiu de Antioquia da Síria, acompanhado por Barnabé e, mais tarde, por João Marcos. Esta jornada foi uma resposta ao chamado divino para pregar o Evangelho aos gentios. Principais paradas incluíram Chipre, onde pregaram em Salamina e Pafos, e várias cidades na Ásia Menor (atual Turquia), como Antioquia da Pisídia, Icônio, Listra e Derbe. Durante esta viagem, Paulo enfrentou tanto aceitação quanto resistência. Ele enfrentou perseguição e hostilidade, especialmente daqueles que se opunham ao Evangelho. No entanto, muitos gentios e alguns judeus se converteram ao cristianismo, forma

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA INICIADA POR MAX WEBER - LER MAIS

 

A SOCIOLOGIA COMPREENSIVA INICIADA POR MAX WEBER, DE MATRIZ TEÓRICO-METODOLÓGICA HERMENÊUTICO-COMPREENSIVA



Max Weber, sociólogo alemão, nasceu em Erfurt, na Turíngia, em 21 de abril de 1864. Ardente nacionalista, Weber é considerado um dos mais importantes pensadores modernos. Fundou a disciplina chamada Sociologia da Religião, fazendo um estudo comparado da história, da economia e da História das Doutrinas Religiosas. Para Weber, o objetivo da Sociologia é o sentido da ação humana individual que deve ser buscado pelo método da compreensão. Weber define como objeto da Sociologia a ação social.

Marx Weber é o fundador de um modo de pensar a vida social profundamente diferente do marxismo e do positivismo. Weber formula em sua metodologia o “conceito do compreensão”. Tratou de temáticas como a racionalização, a burocracia, a política, o papel da Ciência e formulou metodologias próprias para a pesquisa sociológica. Outros temas, como a cultura, eram ainda bastante importantes para Weber. Por isso, o sociólogo acabou influenciando outras disciplinas, como a Antropologia – principalmente em autores como Clifford Geertz. Weber ainda é importante, por exemplo, em estudos sobre administração pública, sendo sua teoria ainda bastante estudada e aplicada.

Na época em que Weber viveu, a racionalização, o progresso como ordem econômica e a burocracia estavam bem desenvolvidos. As grandes empresas se multiplicavam. Weber era muito interessado em Bolsas de Valores, o que permitiu que o autor estudasse esses temas com profundidade. As primeiras obras de Weber foram sobre questões de administração pública. Em 1905, publicou seu trabalho intitulado A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Assim, em 1911, Weber havia atingido o ápice da sua atividade intelectual, ficando bastante consolidado em sua carreira acadêmica.

O trabalho intelectual de Weber é influenciado por Kant e, sobretudo, por Nietzsche. Assim, Weber introduz uma Sociologia compreensiva, como uma forma de entender quais são as motivações, as vontades, desejos e os sentidos relativos às ações sociais. Para pensar as ações sociais, portanto, Weber parte dos indivíduos. A explicação sociológica das ações se volta para os sentidos e os efeitos da ação de um indivíduo no âmbito social. Assim, a Sociologia não visa julgar a ação, nem de analisar uma pessoa – em sua personalidade, por exemplo –, mas de pensar como suas ações operam na sociedade. Portanto, também não é qualquer comportamento que é de interesse sociológico. Essas ações precisam ser significativas, ou seja, não serem simples reações. São ações com uma significância social.

Para Weber, a realidade social é complexa, multifacetada e desordenada. Assim, ela nunca pode ser reduzida a um conceito prévio e definido. Os conceitos tentam apenas captar uma parte, uma faceta dessa realidade que é por natureza complicada de ser entendida. Assim, Weber tenta fazer uma Sociologia sem dar definições prévias e últimas sobre um fenômeno social. Na obra weberiana, um conceito é construído conforme suas análises e raciocínios se desenvolvem. A partir dessa perspectiva – de uma Sociologia compreensiva –, Weber estuda uma variedade de temas, como a racionalização do mundo, a burocracia, a ética protestante e do que se trata a pesquisa sociológica. Algumas de suas obras estão listadas a seguir: A história da sociedade comercial na Idade Média (1889); A ética protestante e o espírito do capitalismos (1905); A política como vocação (1919); Sociologia da Religião (1920); e Economia e Sociedade (1922).

Weber evitou formular definições e conceitos prévios ou definitivos. Sua preocupação, afinal, é com a realidade social complexa e sempre difícil de apreender completamente. Parte dessas suas ideias podem ser expressas em algumas de suas frases:

1. “O que o capitalismo criou, em definitivo, foi a empresa duradoura e racional, a contabilidade racional, a técnica racional, o direito racional”;

2. “Um filho da moderna civilização europeia sempre estará sujeito à indagação de qual a combinação de fatores a que se pode atribuir o fato de na civilização ocidental, e somente na civilização ocidental, haver aparecido fenômenos culturais dotados (como queremos crer) de um desenvolvimento universal em seu valor e significado”;

3. “Explicação significa, portanto, para uma ciência ocupada com o sentido da ação, algo como: apreensão da conexão de sentido a que pertence uma ação compreensível de maneira atual, segundo seu sentido subjetivamente visado”;

4. “A interpretação da ação deve tomar nota do fato fundamentalmente importante de que aquelas formações coletivas, que fazem parte tanto do pensamento cotidiano quanto do jurídico […], são representações de algo que em parte existe e em parte pretende vigência, que se encontram na mente de pessoas reais […] e pelas quais orientam suas ações”; e

5. “Um ‘Estado’ moderno existe em grande medida dessa maneira – como complexo de específicas ações conjuntas de pessoas – porque determinadas pessoas orientam suas ações pela ideia de que este existe ou deve existir dessa forma”.

A especificidade de compreensão está centrada no indivíduo. Ele é o fundamento da ação social e as interações sociais. A compreensão, segundo Weber considera o indivíduo isolado, e sua atividade como unidade de base. Quer dizer, o indivíduo como sujeito capaz de empreender significativas deve ser colocado como base da Sociologia Compreensiva, pois é através dele que os conceitos coletivos se tornam inteligíveis. Outro aspecto fundamental do método compreensivo é a construção do “tipo ideal puro”. Consiste numa elaboração racional que o cientista seleciona aspectos considerados relevantes para a compreensão da realidade social. O tipo ideal não se confunde com a realidade; é apenas um instrumento de aproximação, uma espécie de medida que permite a inteligibilidade da realidade.

Concisamente, tarefa do cientista social é compreender as estruturas da sociedade e não assumir a postura de reformador social ou definir qual a sociedade melhor. A ação social referentes a valores é aquela em que seu autor age a serviço da convicção tendo em vista o dever, a dignidade, a beleza, as diretivas religiosas, a importância de uma causa. A ação racional referente a fins orienta-se dos meios e das consequências previsíveis. Essa modalidade de ação é também denominada de ética da responsabilidade (para Weber). Uma das preocupações centrais em Weber era justamente com os valores e os sentidos das ações das pessoas que, em conjunto, formam os fenômenos sociais. Essa Sociologia compreensiva de Weber permanece relevante até atualmente.


Gustavo Maders de Oliveira - Th.M.
8 de junho de 2022.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I