Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

A MAIOR BARREIRA CULTURAL PARA O MISSIONÁRIO HODIERNO - LER MAIS

 

A MAIOR BARREIRA CULTURAL PARA O MISSIONÁRIO HODIERNO



São diversas as dificuldades pelo que passam os missionários transculturais no campo. Desde dificuldades de relacionamentos entre eles e os locais e entre eles mesmo, seguido da adaptação cultural, problemas financeiros dos mais diversos, até a infraestrutura muito precária em alguns campos, e a mentalidade dos locais contrária à Palavra de Deus.

Mas de todos os percalços, mesmo não elencado no parágrafo acima é a falta de vocacionados para a obra de missões transculturais. Seguido da dificuldade financeira.

Esse fenômeno, da falta de vocacionados, tem dois culpados: um é o próprio crente, que não se sensibiliza com a mensagem do evangelho e não desperta nele o amor pelas almas perdidas. A outra culpada é a igreja local onde aquele crente congrega. A igreja de orientação protestante (evangélica) é hoje pós missões. É uma era onde algumas igrejas crescem muito. Têm templos gigantescos, luxuosos, com material de multimídia de primeira categoria, com instrumentos musicais caríssimos… Mas a mensagem é aquilo que o povo quer ouvir, e não o que Deus quer que o povo ouça. Ora, todo mundo gosta de ouvir sobre bênçãos, cura, prosperidade. , mas, como disse o Apóstolo paulo em 2 Timóteo 4:3Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;”. Basta “assistir” um culto nessas igrejas para se constatar: uma hora de louvor, meia e uma hora de pregação da mensagem (que o povo quer ouvir), e nada se fala sobre missões, nem de evangelismo pessoal, quanto mais missões transculturais. O Modus Operandi dessas igrejas é muito simples: um “membro” convida um parente, ou conhecido para “assistir” um culto e lá a pessoa é impactada pelo louvor e pela mensagem positivista. Se gostar, muito provavelmente voltará e convidará outras pessoas.

Em contrapartida, numa igreja em que se fala de missões, é lá que surgem os vocacionados. A igreja precisa investir na educação religiosa na Escola Bíblica Dominical (EBD), ensinando a introdução bíblica, evangelismo pessoal e de massa, e ensinando sobre missões, nacionais e transculturais. O currículo da EBD deve conter missões, ao menos uma vez por ano. A igreja também deverá ter cultos missionários regularmente, assim como ter um momento missionário em todo culto, para se criar uma “atmosfera de missões” na igreja. A igreja precisa entender que o “motor de missões” são os pés de quem vão, os joelhos de quem ora, e as mãos de quem contribui financeiramente (quem “segura a corda”).

Tão importante quanto ao chamado para missões transculturais, é a oração da igreja. A oração funciona como fogos de artilharia, preparando o terreno para o avanço da infantaria (os missionários). A artilharia neutraliza alvos (destrói inimigos em potencial), e abre espaço para a ação dos missionários. Por isso é mister a oração da igreja, oração pelos missionários e família, oração pelo povo a ser alcançado, oração para Deus neutralizar os inimigos, enfim…

Importante quanto a artilharia e infantaria é a logística (ela determina a permanência em combate). Nesse sentido estão as finanças. E missões custa caro! O preparo do(s) missionário(s) é caro; o envio é caro; manter no campo custa muito caro. Desde aluguel residencial até aluguel de uma sede, um ponto de pregação – futura igreja, programa em rádio, panfletagem, passando pelos cuidados com a família do missionário, caso o tenha, escola para os filhos, automóvel para deslocamentos distantes, combustível, alimentação, água, energia elétrica,,telefone, etc. Percebe-se que a logística é imensa, é muito caro, e isso é tarefa da igreja enviadora, podendo haver parcerias com outras igrejas e agências missionárias.

Não há nada que impeça uma igreja grande, numerosa, abastada em investir em missões (despertamento e envio de vocacionados, oração e o sustento dos missionários enviados), afinal, a maior parte do envio de missionários transculturais no Brasil é feito por igrejas relativamente pequenas (com até 100 membros). A igreja contemporânea precisa aprender a ser igreja para o mundo, e não somente igreja para a igreja local.

A Grande Comissão (Mateus 28:19-20; e Marcos 16:15,16), e ao alcance da Missão (Atos 1:8) precisa ser ensinado na igreja contemporânea, pois a maioria de seus membros nem sabe o que é missões, missões transculturais, não sabem o que é evangelho e o que é evangelizar. O ministério de ensino da igreja (onde têm) precisa ensinar e desafiar os membros para que hajam missionários – vocacionados preparados e enviados ao campo, pois a missão é urgente.

Identificar, comissionar, treinar, enviar para o campo, sustentar em oração e financeiramente o(s) missionário(s) é missão intransferível da igreja. “Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara.” (Lucas 10:2).

E, “Porque a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar.” (Habacuque 2:14). O mundo todo conhecerá o evangelho do Salvador, então virá o fim, conforme Mateus 24:14. Despertar vocacionados é o desafio relevante para a igreja contemporânea.



Gustavo Maders de Oliveira - Th.

1º de junho de 2022.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I