Pular para o conteúdo principal

As 3 viagens missionárias de Paulo

  AS TRÊS VIAGENS MISSIONÁRIAS DO APÓSTOLO PAULO As três viagens missionárias do Apóstolo Paulo são cruciais para entender a disseminação inicial do Cristianismo no mundo greco-romano. Aqui está um resumo das três viagens: Primeira Viagem Missionária (46-49 d.C.) - Atos 13 A primeira viagem missionária de Paulo começou por volta de 46 d.C., pouco após a conversão de Paulo ao cristianismo. Ele partiu de Antioquia da Síria, acompanhado por Barnabé e, mais tarde, por João Marcos. Esta jornada foi uma resposta ao chamado divino para pregar o Evangelho aos gentios. Principais paradas incluíram Chipre, onde pregaram em Salamina e Pafos, e várias cidades na Ásia Menor (atual Turquia), como Antioquia da Pisídia, Icônio, Listra e Derbe. Durante esta viagem, Paulo enfrentou tanto aceitação quanto resistência. Ele enfrentou perseguição e hostilidade, especialmente daqueles que se opunham ao Evangelho. No entanto, muitos gentios e alguns judeus se converteram ao cristianismo, forma

Estudo de João 10:16 - LER MAIS

 Estudo de João 10:16


"Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco. Preciso conduzi-las também, e ouvirão a minha voz e haverá um só rebanho e um só pastor."
João 10:16


Outras ovelhas – Existem outras pessoas que serão membros da minha igreja redimida.

Eu tenho – Isso não significa que eles eram seus amigos, mas que eles seriam. Havia outros a quem era seu propósito e intenção chamar as bênçãos do evangelho e da salvação. O objetivo era tão certo, e o fato de que eles acreditariam nele com tanta certeza, que ele poderia usar o tempo presente como se já fosse dele. Esse propósito estava de acordo com a promessa de Isaías 53:11 : “Ele verá o trabalho de sua alma e ficará satisfeito.” Um exemplo de expressão paralela ocorre em Atos 18:10 , “Eu tenho muita gente nesta cidade” (Corinto). Ou seja, era o propósito de Deus abençoar a pregação de Paulo e dar-lhe muitas almas como selos de seu ministério. Era tão certo que eles acreditariam no Salvador, de que poderia ser mencionado como se já estivesse feito. Essa certeza poderia ter existido apenas em consequência da intenção de Deus de que assim fosse. Não consistia em nenhuma disposição de abraçar o evangelho previsto, pois eram as pessoas mais corruptas e licenciosas da antiguidade, e deve ter sido porque Deus quis que fosse assim. Declarações como essas são a prova completa de que Deus tem um plano em relação à salvação dos homens, e que o número é conhecido e determinado por ele. Aprender:

1.que não é uma questão de acaso ou incerteza se os homens serão salvos.
2.que existe incentivo para pregar o evangelho. Existem aqueles a quem Deus quer salvar, e se ele pretende fazer isso será feito.

Não desta dobra – não judeus. Esta é uma indicação distinta de que o evangelho deveria ser pregado aos gentios uma doutrina extremamente ofensiva para os judeus. Essa previsão do Salvador foi surpreendentemente confirmada na conversão de milhões de gentios ao evangelho.

Eles também devo trazer – Trazer para a igreja e reino dos céus. Isso deveria ser feito, não por seu ministério pessoal, mas pelo trabalho de seus apóstolos e outros ministros.

Uma dobra – Uma igreja; não haverá distinção nem privilégios nacionais especiais. A divisão entre judeus e gentios será destruída, e não haverá preeminência de posição ou honra, Efésios 2:14 ; “Cristo derrubou a parede do meio da divisão entre nós;” Romanos 10:12 ; “Não há diferença entre o judeu e o grego.”

Um pastor – ou seja, o Senhor Jesus – o Salvador comum, libertador e amigo de todos os verdadeiros crentes, em qualquer terra em que nasceram e em qualquer língua que possam falar. Isso mostra que os cristãos de todas as denominações e países devem sentir que são um redimido pelo mesmo sangue e que estão indo para o mesmo lar eterno. Compare 1 Coríntios 12:13 ; Gálatas 3:28 ; Colossenses 3:11 ; Atos 17:26 .


Do site:

Estudo de João 10:16 - Comentado e Explicado - Versiculos (versiculoscomentados.com.br)

Em 5 de abril de 2022.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I