Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

Da Angelologia - breve introdução - LER MAIS

Da Angelologia - breve introdução 


1. A declaração bíblica da criação


O ponto de partida está na declaração de que todas as coisas criadas foram feitas “segundo o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da sua vontade” (Ef 1:11b). Portanto, o relato da obra da criação no livro de Gênesis se constitui como princípio e a base de toda a revelação divina e, consequentemente, a base da relação do homem com Deus.

Quatro verdades fundamentam a obra da criação: 1 – A obra da criação é autoria única do Deus Triúno; 2 – A obra da criação foi feita por um ato livre da parte do Criador; 3 – A obra da criação teve um começo; e 4 - A obra da criação foi produzida do nada. Base bíblica: Gn 1:1; Is 40:12; 44:24; 45:12; Jó 22:3,13; At 17:25; Ap 4:11; Sl 90:2; 102:25; Sl 33:6,9 e 148:5; Hb 11:3.


2. O processo da obra da criação


Há um processo ordenado na história da criação que se apresenta em 3 fases distintas:

1) A criação das coisas espirituais (Jó 38:1-7);

2) A criação das coisas materiais (Ne 9:6); e

3) A criação da vida sobre a terra (Gn 1:11, 20-22).


3. A realidade da criação espiritual


A experiência humana testemunha a existência de seres espirituais, os quais são chamados: espíritos, deuses, semideuses, gênios, heróis, demônios e outros tantos nomes. Independentemente da mitologia, a revelação aceitável no mundo religioso está na Bíblia.

1) Os anjos são reais. A palavra anjo no hebraico é ma’ak,e no grego angellus, que significam mensageiro, enviado. Hb 1:14; Jó 38:6,7; Mt 4:11; At 1:10.

2) Existem anjos bons e maus. Todos foram criados no mesmo grau de justiça, bondade e santidade (II Pe 2:4; Jd 5), mas assim como os homens, foram dotados de livre-arbítrio, e daí muitos optaram pelo mal. Is 14:12-16; Ez 28:12-19; I Tm 5:21; Mt 18:10.

3) A habitação dos anjos. A Bíblia declara que os anjos de Deus são organizados em milícias e povoam os céus; os anjos rebeldes, porém, habitam a terra. Lc 2:13; Mt 26:53.

4) O número de anjos. A quantidade é incontável. Eles não procriam e são eternos. Ap 5:11; Dn 7:10; Dt 33:2; Hb 12:22; Lc 2:13; Sl 148:2-5.


4. A tarefa dos anjos


Segundo Hb 1:14, os anjos são espíritos ministradores criados por Deus para realizar serviços em prol daqueles que vão herdar o Reino dos Céus. Nós podemos acionar os anjos através das nossas orações (Mt 26:53). Eis algumas importantes tarefas realizadas pelo ministério angélico:

- Apareceram a Abraão para confirmar o seu chamado (Gn 18:1-19);

- Destruíram Sodoma e Gomorra e salvaram a Ló (Gn 19:1-25);

- Evitaram a morte de Isaque (Gn 22:9-17);

- Auxiliaram Isaque em seu encontro com Rebeca (Gn 24:1-67);

- Jacó reconheceu a ajuda angelical durante toda a sua vida (Gn 48:15,16);

- Um anjo foi enviado para guiar Moisés, indo diante do povo para guardá-los e ajudá-los nas guerras, até que chegasse à Terra Prometida e a conquistasse (Ex 23:20-23);

- Acampam ao redor daqueles que temem a Deus para os guardar (Sl 34:7; Sl 91:11);

- Anunciaram o nascimento do Messias (Mt 1:20,21);

- Serviram a Jesus após a tentação no deserto (Mt 4:11);

- Removeram a pedra que fechava o sepulcro de Jesus (Mt 28:2);

- Conduzem os servos de Deus que morrem para junto de Abraão (Lc 16:22);

- Auxiliarão a Jesus, por ocasião de Sua vinda, reunindo as nações para o grande julgamento (Mt 25:31-33); e

- Em quase todos os capítulos de Apocalipse os anjos estão presentes, atuando na tribulação do final dos tempos.


Se você se interessa sobre este assunto e outros envolvendo a Bíblia Sagrada, conheça nosso Curso de Teologia, aqui mesmo neste site.



Gustavo Maders de Oliveira - Th

30 de março de 2022. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I