Pular para o conteúdo principal

Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu

  Não Julgues Alguém por Quem Cristo Morreu O ensinamento de Jesus sobre o julgamento é profundo e relevante para todos nós. Em Mateus 7, encontramos palavras que nos convidam à reflexão e à mudança de atitude. Vamos explorar por que não devemos julgar os outros e como podemos aplicar esse princípio em nossa vida. I - O Mandamento de Não Julgar Em Mateus 7:1-2, Jesus diz: “Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois com o critério com que julgardes, sereis julgados; e com a medida que usardes para medir a outros, igualmente medirão vocês.” Essas palavras são um lembrete poderoso de que nosso julgamento tem consequências. Quando apontamos os erros dos outros, estamos nos colocando em uma posição de juízes, e Deus nos julgará da mesma forma. II - A Trave no Próprio Olho Jesus continua em Mateus 7:3-5: “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu próprio olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o

As 5 solas - LER MAIS

 

5 Solas da Reforma Protestante: entenda quais são os Solas e a sua importância

O que são os 5 Solas?

Os 5 Solas da Reforma Protestante são proposições teológicas que sintetizam os principais pensamentos dos reformadores. Os Solas são os principais pontos de oposição da Teologia Reformada contra os ensinos da Igreja Católica.

Todos eles são frases no Latim e o termo “Sola” significa “somente”. Assim temos os 5 Solas da Reforma, são eles:

  • Sola Scriptura = Somente a Escritura 

  • Solus Christus = Somente Cristo

  • Sola Gratia = Só a Graça

  • Sola Fide = Só a Fé

  • Soli Deo Gloria = Somente a Deus a Glória

Apesar de serem os grandes pilares da Reforma, os termos não surgiram naquela época, mas vieram de teólogos e estudiosos posteriores. 

Embora não se saiba exatamente quando surgiram, de fato quando analisamos os pensamentos dos reformadores, são eles os principais que nortearam a Reforma e se opuseram aos ensinamentos Católicos.

Vamos entender então o que cada um desses Solas significa.

Sola Scriptura 

Reafirmamos a Escritura inerrante, como fonte única de revelação divina escrita, única para constranger a consciência. A Bíblia sozinha ensina tudo o que é necessário para nossa salvação do pecado, e é o padrão pelo qual todo comportamento cristão deve ser avaliado. 

Negamos que qualquer credo, concílio ou indivíduo possa constranger a consciência de um crente, que o Espírito Santo fale independentemente de, ou contrariando, o que está exposto na Bíblia, ou que a experiência pessoal possa ser veículo de revelação. 

A institucionalização da Igreja católica, decorrente à queda do Império Romano, enraizou o ensinamento da revelação continuada, que equiparava a soberania eclesial às escrituras. 

Os reformadores, em contrapartida, rejeitaram a autoridade divina do papa e a confiança exclusiva nas tradições sagradas. 

Logo, repeliram qualquer forma de contradição à bíblia, para que retornasse a seu lugar central como regra única de  e prática. 

Analisando a Bíblia como um todo, é evidente que as escrituras apresentam-se como sendo a revelação de Deus e, de tal forma, a autoridade suprema no que diz respeito a doutrinas, hábitos cotidianos e decisões pessoais

A vontade de Deus é expressa por intermédio da Lei, inicialmente confiada a Moisés e transmitida ao povo acampado no Sinai. 

No decorrer do Antigo Testamento, juízes, profetas e reis clamavam um retorno à Palavra de Deus e ao consequente reavivamento espiritual acarretado pela obediência. 

Se o próprio Jesus citava as Escrituras como base para suas ações, por que deveria ser diferente com os cristãos modernos?  

Em virtude da Reforma, da invenção da prensa e do trabalho de homens como Lutero, a Bíblia foi traduzida do latim para o alemão, francês e inglês, dentre outros idiomas, viabilizando assim seu acesso ao alcance popular.  

Para saber mais sobre este Sola, confira o nosso conteúdo completo sobre o Sola Scriptura.

Solus Christus  

Reafirmamos que nossa salvação é realizada unicamente pela obra mediatória do Cristo histórico. Sua vida sem pecado e sua expiação por si só são suficientes para nossa justificação e reconciliação com o Pai. 

Negamos que o evangelho esteja sendo pregado se a obra substitutiva de Cristo não estiver sendo declarada e a fé em Cristo e sua obra não estiver sendo invocada. 

As tradições da igreja medieval inferiam que a obra de Cristo, sozinha, não era suficiente para a salvação. 

Como resultado, eram apresentados centenas de mediadores, a começar de Maria, dos demais santos e da autoridade absolutista do papa, que conciliariam o contato entre leigos e Deus. 

Todavia, os reformadores salientaram o papel de Jesus como sumo sacerdote, que intercede em favor da humanidade perante o Pai. 

Nesse sentido, o eixo do cristianismo gira em torno da pessoa de Jesus, destacando assim seu papel na salvação.

Em virtude de sua encarnação, o Messias consumou o mais exímio sacrifico, ao residir e padecer na Terra como Deus e homem, simultaneamente. Desse modo, é o justo e único mediador, expiador e redentor dos perdidos.  

Visto que somente Cristo é o verdadeiro e perfeito mediador, toda a raça humana se equipara diante do Senhor, igualmente perversa e destituída da graça. 

Sob o mesmo ponto de vista, todo protestante também tem capacidade de julgar segundo as escrituras, e de rejeitar todo ensino contraditório, praticando assim o sacerdócio universal, sistematizado por Lutero.  

Sola Gratia 

Reafirmamos que na salvação somos resgatados da ira de Deus unicamente pela sua graça. A obra sobrenatural do Espírito Santo é que nos leva a Cristo, soltando-nos de nossa servidão ao pecado e erguendo-nos da morte espiritual à vida espiritual. 

Negamos que a salvação seja em qualquer sentido obra humana. Os métodos, técnicas ou estratégias humanas por si só não podem realizar essa transformação. A fé não é produzida pela nossa natureza não-regenerada. 

A partir do século XI, a comercialização da fé cristã foi intensificada pelo papado, mediante as procissões, peregrinações e indulgências. 

Tal prática prometia amenizar ou extinguir o tempo de penitência dos devotos no purgatório. 

Contudo, ao enfatizar o ensino do sola gratia, os reformadores pretendiam refutar o parecer comum de que a salvação dava-se pela obra de Cristo somada à obra meritória dos homens. 

Ao entender o estado de miséria humana diante de Deus, compreende-se que não há nada que se possa fazer para conquistar o favor divino. 

Trata-se da doutrina da depravação total, em que o homem não regenerado é absolutamente escravo do pecado e, como consequência, totalmente inapto de exercer sua própria vontade livremente para salvar-se. 

O homem é salvo porque é incapaz de obter a salvação por si mesmo. No entanto, a humanidade sempre se sentiu desconfortável em saber que sua redenção depende exclusivamente de Deus, que a concede graciosamente, não por mérito. 

Desse modo, a verdadeira expressão da fé cristã sobreleva a graça como base e razão da salvação.  

Sola Fide 

Reafirmamos que a justificação é somente pela graça somente por intermédio da fé somente por causa de Cristo. Na justificação a retidão de Cristo nos é imputada como o único meio possível de satisfazer a perfeita justiça de Deus. 

Negamos que a justificação se baseie em qualquer mérito que em nós possa ser achado, ou com base numa infusão da justiça de Cristo em nós; ou que uma instituição que reivindique ser igreja, mas negue ou condene sola fide possa ser reconhecida como igreja legítima. 

Ao redescobrir e autentificar que “o justo vive pela fé”, o frade Martinho Lutero desmentiu um grande dogma da igreja católica, que trazia o homem como colaborador e cooperador de sua salvação. 

Logo, favoreceu o fundamento de que ninguém é salvo pelas obras que pratica, mas sim pela obra de Deus, por intermédio de seu filho. Portanto, pode-se proclamar que a salvação é recebida mediante a fé

Compreende-se que “fé é a certeza de coisas que se esperam e a convicção de fatos que se não vêem.” (Hebreus 11:1). 

Trata-se da decisão humana em receber de Deus capacidade sobrenatural, através do novo nascimento, de modo a reconhecer sua insuficiência de justiça e a obra de Cristo na salvação.   

Jesus cumpriu perfeitamente a lei para que, ao comprovar-se justo, entregasse sua justiça aos homens, que por meio da fé, se apropriam dela. 

Assim sendo, para apropriar-se da oferta de reconciliação com Deus, basta reconhecer que a salvação é um presente gratuito para todos que o aceitarem, em conformidade com a doutrina da justificação pela graça, mediante a fé. 

Soli Deo Gloria 

Reafirmamos que, como a salvação é de Deus e realizada por Deus, ela é para a glória de Deus e devemos glorificá-lo sempre. Devemos viver nossa vida inteira perante a face de Deus, sob a autoridade de Deus, e para sua glória somente. 

Negamos que possamos apropriadamente glorificar a Deus se nosso culto for confundido com entretenimento, se negligenciarmos ou a Lei ou o Evangelho em nossa pregação, ou se permitirmos que o afeiçoamento próprio, a auto-estima e a auto-realização se tornem opções alternativas ao evangelho. 

O Catecismo Maior de Westminister, redigido em 1648 na Inglaterra, averiguou que “o fim supremo e principal do homem é glorificar a Deus e alegrar-se nele para sempre”, ratificando assim a ênfase reformadora de que o sentido da vida não se resume à existência humana.   

Deus criou o homem de tal maneira que seu propósito principal convirja à adoração e o louvor a Ele. Como consequência, jamais poderia reduzir sua vida à outra coisa, que não a grandiosidade do Senhor.  

No entanto, a natureza pecaminosa da raça humana conduz ao mal e a tentativa de outorgar para si a glória divina, cometendo então um lapso análogo ao de satanás.  

Deus não reparte os méritos da salvação ou de sua glória. Ainda sim, convida seus filhos a juntarem-se com a criação para exalta-lo, adorá-lo e dedicar todo seu viver à glorificação do Altíssimo.



Emanuella Greco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO - LER MAIS

  JANELA 10/40 – DESAFIO MISSIONÁRIO O termo Janela 10/40 originou-se com Luis Bush, diretor internacional AD2000 & Beyond Movement durante a segunda Conferência de Lausanne, em julho de 1989. A Janela é uma faixa compreendida entre os paralelos 10º e 40º, acima da linha do Equador, onde vivem 97% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Na Janela 10/40 vive o grupo de povos não alcançados, do ocidente da África até o ocidente da Ásia. São 64 nações mais “perdidas” do planeta. Corresponde a 3 bilhões e 200 milhões de pessoas que em sua maioria nunca ouviram o nome Jesus; 1/3 da superfície da terra e grande parte da população do planeta. A maioria dos pobres está lá. 9/10 da população mais pobre do planeta, que vive abaixo do nível da pobreza vive na Janela. Mais da metade da população do mundo jamais ouviu o nome Jesus. Isso deveria causar ojeriza na igreja, mas parece que não é a prioridade do Povo de Deus. Só 8% de todos os missionários estão na Janela 10/40. Por

AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO NO BRASIL - LER MAIS

  AMAZÔNIA – O MAIOR DESAFIO MISSIONÁRIO  NO BRASIL A Amazônia é, indubitavelmente o maior desafio missionário existente no Brasil. Cobrindo 59% de todo o território nacional, a região elenca cinco grupos socioculturais menos evangelizados no Brasil: indígenas, quilombolas, ciganos, sertanejos e ribeirinhos. A respeito do segmento ribeirinho, há um grupo de 35 mil comunidades na Amazônia, das quais estima-se que 10 mil ainda não foram alcançadas pelo evangelho. Vinte e seis milhões de pessoas habitam a Amazônia Legal, sendo que 1 milhão nunca teve contato com o evangelho. Há mais de 40 iniciativas evangelizadoras na Amazônia Legal e a maioria das comunidades tradicionais num raio de 100 Km das principais cidades já foram alcançadas. Dentre as necessidades apontadas para o avanço do evangelho entre os ribeirinhos estão a conscientização da igreja brasileira, missionários bem treinados, com capacidade de leitura cultural adequada, formação de líderes locais e material peda

Cristo, o Centro da Bíblia

  Cristo, o Centro da Bíblia O Antigo Testamento descreve uma nação; o Novo descreve um homem. Jesus é o tema central da Bíblia, como você pode ver a seguir: A referência (nome) de Cristo em cada livro da Bíblia: Gênesis: O descendente da mulher (Gn 3:15); Êxodo: O cordeiro pascoal (Ex 12:5-13); Levítico: O sacrifício expiatório (Lv 4:14,21); Números: A rocha ferida (Nm 20:7-13); Deuteronômio: O profeta (Dt 18:15); Josué: O príncipe dos Exércitos do Senhor (Js 5:14); Juízes: O libertador (Ju 3:9); Rute: O remidor divino: (Rt 3:12); Samuel: O rei esperado (1 Sm 8:5); Reis: O rei prometido (1 Rs 4:34); Crônicas: O descendente de Davi (1 Cr 3:10); Esdras: O ensinador divino (Es 7:10); Neemias: O edificador (Ne 2:18,20); Ester: A providência divina (Et 4:14); Jó: O redentor que vive (Jó 19:25); Salmos: O nosso socorro e alegria (Sl 46:1); Provérbios: A sabedoria de Deus (Pv 8:22-36); Eclesiastes: O pregador perfeito (Ec 12:10); Cantares: O nosso amado (Ca 2.8); Isaías: O servo do Senhor (I